“Gerenciamos a Apple como uma startup. Nós sempre permitimos que as ideias vençam as discussões, e não as hierarquias. Caso contrário, os melhores colaboradores vão sair. A colaboração, a disciplina e a confiança são fundamentais.” — Steve Jobs

Todas as empresas começam como cavalos selvagens: energia, vitalidade, velocidade, força. Mas ao longo do tempo, algumas vão ficando domadas, cansadas e lentas. A burocracia vai se espalhando, inovações vão ficando mais raras, as pessoas perdem energia, os fluxos de produtos e financeiros se tornam lentos.

E o que é um unicórnio? Na mitologia, é um animal fabuloso que tem a forma de um cavalo, geralmente branco, com um único chifre em espiral. Sua imagem está associada à pureza e à força, um ser mágico. No mundo dos negócios, Aileen Lee cunhou o termo “unicórnio” em 2013 para descrever as startups privadas com valor de mercado superior a 1 bilhão de dólares, no intuito de mostrar a sua raridade. Contudo, observamos algo muito diferente: em 2013, havia 39 empresas no “clube dos unicórnios”, empresas como Instagram, Waze, YouTube e Facebook. E hoje? Já são 185 empresas em janeiro de 2017. Ou seja, cada vez menos raras (veja o infográfico abaixo) e mais fortes no mundo.

A questão metafórica que nos colocamos é a seguinte: se a empresa em que trabalhamos se tornou mais parecida com um “cavalo cansado”, o que podemos fazer para transformá-la mais em “unicórnio”, uma empresa ágil, moderna, engajante?

A resposta, na nossa experiência, é uma combinação de geração de novos negócios e regeneração do seu negócio. Me explico:

  • Geração de novos negócios significa que sua empresa pode se conectar a um ecossistema de Startups, seja criando ou investindo em suas próprias startups, seja fazendo parcerias com aceleradoras, incubadoras ou hackerspaces.
  • Por exemplo, a seguradora Porto Seguro criou a aceleradora Oxigenio. Seu objetivo é selecionar startups com soluções inovadoras, investir diretamente US$ 50.000,00 por 10% de participação e acelerá-las por três meses no Centro de Inovação da Oxigênio, em São Paulo, e três meses na sede da Plug and Play, no Vale do Silício. As startups selecionadas têm a oportunidade de fazer negócios com empresas do grupo Porto Seguro e receber mentoria com grandes nomes do mercado.
  • Outro exemplo é o Banco do Brasil que estabeleceu um escritório na própria Plug and Play para buscar inovações na área financeira.
  • Regeneração do seu negócio significa liberar a potência da organização impulsionando o empreendedorismo e despertando sua essência inovadora, deixando-a pronta para um futuro disruptivo. A empresa deixa claro o seu propósito (algo que tenha significado e relevância para todos), repensa o seu modelo de negócio (usando de plataformas digitais), redesenha sua organização de forma mais horizontal, alavancando a inteligência e a criatividade do sistema, e concebe um novo modelo de melhoria de performance, com processos mais ágeis, dashboards de gestão e um modelo de gestão de desempenho mais fluido e dinâmico. Há um grande número de empresas que estão caminhando nesta direção.
  • Por exemplo, a Vagas.com, maior empresa de recrutamento e seleção on-line do Brasil, tem uma estrutura totalmente horizontal, com muita autonomia e diálogo — ela inclusive ganhou um prêmio da “The Management Innovation eXchange (MIX)”, um projeto que reúne pensadores para “reinventar a gestão no século 21”.
  • Outro exemplo é a gestão de desempenho da GE que evoluiu do tradicional 9-box onde pessoas são categorizadas e recebem uma “nota” para um modelo de feedbacks contínuos (“continue fazendo isto”, “considere fazer aquilo diferente”) através de um aplicativo interno para smartfones

Há muitos caminhos e oportunidades para evoluir sua empresa para que ela aproveite das transformações do mundo e sabemos que cada empresa vai encontrar sua própria jornada, a mais adequada para o seu momento de negócio e para a sua história. Mas, não importa o caminho que você escolher, aqui vão 4 dicas:

  1. Eduque sua liderança a respeito da incerteza e da disrupção
  2. Traga diversidade para sua organização
  3. Mantenha o espírito do aprendiz
  4. Experimente o novo com leveza

E não esqueça de se divertir!

Artigo originalmente publicado no blog Gestão Fora da Caixa da Exame.com