Mindfulness para lidar com incertezas

Explorando possibilidades e encontrando o que ressoa em mim

Mindfulness é uma variante da meditação, que foca no estado de presença. Esta técnica se popularizou na última década, mas os yogues já sabiam sobre o poder da meditação há milênios!

Então, nos anos 70, a meditação voltou a ganhar força com o movimento hippie e no início deste milênio, a ciência passou a comprovar seus benefícios no funcionamento do cérebro, sistema endócrino e, consequentemente, em todo o corpo e a mente.

Mas para mim, nada como a poesia para descrevê-la de forma bela, simples e concisa.

“Tudo é uma questão de manter
A mente quieta
A espinha ereta
E o coração tranquilo”

Música “Coração Tranquilo” de Walter Franco

Este encontro do oriente e suas práticas milenares, de um lado, com o ocidente e seu pragmatismo e visão científica, do outro, nos presenteia com várias possibilidades de meditação.
Contudo, especialmente no momento desafiador em que estamos vivendo, mais do que nunca, incluir no dia a dia alguma prática que ressoe em cada um de nós pode ser a diferença que faz a diferença nas nossas vidas!

Temos sido convidados a um despertar para novas possibilidades e a meditação pode ser nosso grande aliado para que isto aconteça – além, claro, de nos ajudar a cultiva um estado de mais calma e, ao mesmo tempo, atenção para lidar com tantas inseguranças e incertezas.

Minha jornada de busca pelo auto conhecimento e ampliação da consciência começou há mais de 20 anos.
Li, experimentei e pratiquei várias abordagens e serei eternamente grata a todos os mestres que tornaram este conhecimento disponível.

Sobretudo aprendi que, cada um tem a sua forma de meditar.
Por isso, a importância de conhecer diversas práticas e ir experimentando até identificar as que mais funcionam para você.

Tenho a oportunidade de compartilhar várias práticas com outras pessoas em meu trabalho como coach e consultora da Corall e observo 3 grandes desafios comuns para quem está começando.

Abaixo apresento esses desafios e ofereço algumas dicas de práticas para superá-los.

 

Desafio 1: Não tenho tempo

Este é o desafio mais comum. Mesmo agora em tempos de quarentena onde as pessoas permanecem em casa, escuto muitas queixas sobre falta de tempo. De fato dar conta dos nossos vários papeis às vezes pode parecer impossível!

A dica aqui é não pensarmos em uma prática de mindfulness como sendo uma atividade a mais a ser encaixada no nosso dia dia. Podemos incluir a prática como um estado de atenção plena para pequenas atividades que já fazemos como:

– Nas refeições, levar sua atenção ao aroma do que você está comendo, depois perceber os detalhes da textura do alimento e suas nuances de sabor.
Como seria, por exemplo, comer um pedaço pequeno de chocolate desta forma? Podemos até mesmo deixar o chocolate derreter sozinho no calor da boca, tornando esta experiência sensorial ainda mais prazerosa.

– Durante o banho, podemos trazer nossa atenção plena para as sensações da água tocando a pele, o aroma do sabonete, o toque na pele.
Podemos antes do banho notar se tem alguma região do corpo em particular que está mais dolorida e deixar por alguns segundos a água quente massagear esta área do corpo. Na sequência apenas percebemos o que mudou.

– Se você tiver uns poucos minutos, ao acordar ou antes de dormir, pode dedicá-los apenas para o prazer de testemunhar a sua própria respiração.
Sem tentar modificá-la, apenas observando o fluxo do ar que entra pelas narinas, expande o tórax e o abdômen com o movimento do pulmão, e o fluxo do ar quando sai, relaxando o abdômen e tórax e saindo pelas narinas mais quentinho do que entrou.

Basta praticar 5 minutos ao acordar e já vai lhe trazer uma sensação de calma. Se repetir a prática antes de dormir, ainda vai lhe ajudar a relaxar para um sono gostoso.

 

Desafio 2: Meu corpo dói

Vivemos em um tempo e em uma sociedade que movimenta pouco o corpo e tipicamente se senta com a coluna apoiada (quando não jogada no sofá).

E boa parte das práticas de mindfulness lhe estimulam a sentar com a coluna alinhada sem encosto e, para quem pode, com as pernas cruzadas sentado em um tapetinho. Com isto, muitas pessoas podem sentir dores no corpo, principalmente no início.

A prática do yoga para mim é perfeita para preparar o corpo e a mente, mas você pode se beneficiar também de outras práticas que envolvam alongamento e fortalecimento dos músculos, principalmente abdominais, para ajudar a sustentar uma postura ereta sem dores.

É importante ouvir os sinais do corpo e não ultrapassar o limite que ele lhe indica quando o desconforto se transforma em dor. É melhor meditar sentado com as costas apoiadas em uma cadeira caso sinta dor e, com o tempo, ir trabalhando o corpo para poder aumentar seu tempo sentado sem necessidade de apoio.

 

Desafio 3: Minha mente é muito agitada

Muitas pessoas acham que meditar é esvaziar a mente, mas na verdade trata-se de focar a mente e não de esvaziá-la.
Em algumas técnicas, você é convidada, por exemplo, a trazer sua atenção para a respiração ou para um mantra. Para quem está começando, a atenção no fluxo respiratório, sem tentar modificá-lo, já é muito benéfica.

Caso, durante o mindfulness, venha algum pensamento, e normalmente isto acontece, como, por exemplo, lembrar do que temos que comprar no supermercado, ou aquela ligação que temos que fazer, apenas observe o pensamento, deixe-o passar e volte sua atenção para a respiração.

Isto pode acontecer algumas vezes, assim, sempre que um pensamento vier à mente, seja como uma testemunha que observa esse fato – o pensamento que surge – e, sem seguida, desapegue dele voltando à sua prática.
Com o tempo, você notará que consegue manter sua atenção na respiração por um período mais longo sem interrupções de pensamentos.

Na minha experiência, mindfulness pode ser bem desafiador no início, mas com o tempo passa a ser prazeroso, como um presente de auto cuidado que você se dá e um momento de expansão da consciência, enfim, um alimento essencial para o corpo e para a alma.

Assim sendo, fica aqui um convite caso você ainda não tenha se aventurado a meditar. Espero que você também tenha experiências maravilhosas com a meditação e que ela lhe ajude a lidar com os desafios da vida com mais calma, curiosidade e abertura para o novo.

Gostaria de mais dicas para iniciar a praticar mindfulness? 

Me procure por aqui neste link, terei prazer de compartilhar meus aprendizados.

Aqui no blog da Corall este tema é recorrente, veja abaixo mais artigos sobre esse assunto:

Um introdução a Ioga e meditação na gestão das empresas.

Mindfulness e Liberação de Potência

Neurociência e Mindfulness

 

 

 

Posso ajudar?