Transformação

Semáforo ou rotatória, qual é a sua?

Semáforo ou rotatória, qual é a sua? Por Fabio Betti, sócio-consultor Corall. Sempre que visito meu irmão em San Diego, me surpreendo com a baixíssima quantidade de semáforos, praticamente, exclusivos às grandes avenidas. O trânsito, no entanto, flui muito bem em todos os outros cruzamentos e rotatórias. No lugar do equipamento que diz quem pode prosseguir e quem deve parar, o que se vê? Dois mandamentos não escritos em lugar algum: parar em todos os cruzamentos, mesmo que não haja qualquer veículo se aproximando, e respeitar uma regra muito utilizada pela indústria para administrar seus estoques: First In First Out (FIFO),…

Reinventando a educação para as novas organizações

Reinventando a educação para as novas organizações Por Erica Isomura, sócia-consultora Corall. Acredito que boas histórias precisam ser compartilhadas e a história que compartilharei hoje é a do Centro Universitário Celso Lisboa que conheci há um ano e fui completamente envolvida pelo propósito de Reinventar a Educação Universitária no Brasil. A REINVENÇÃO DA EDUCAÇÃO UNIVERSITÁRIA Após 46 anos de história a Celso Lisboa se percebeu como uma tradicional commodity de ensino universitário e resolveu se reinventar, transformando-se em uma startup de aprendizagem, saindo do modelo linear de conteúdo programático para o desenvolvimento de competências necessárias para o mercado de trabalho…

Transformação de dentro para fora

Transformação de dentro para fora Por Vicente Gomes, sócio-consultor Corall Acabei de sair de um encontro promovido pela Digital House, uma escola de programação que está ajudando o ecossistema de digitalização de negócios a crescer. O tema foi Corporate Innovation e empresas como Telefonica, P&G e Ambev foram compartilhar suas experiências em como estão agindo no novo cenário de disrupção digital e de negócios. O resumo da ópera foi que duas delas já criaram times fora da organização principal para identificar, nutrir e desenvolver startups que conversem com seus negócios em vários níveis, tanto com soluções de melhoria de processos internos…

Sua realidade é fruto da lente que você usa para vê-la

Sua realidade é fruto da lente que você usa para vê-la Outro dia lembrei-me de uma história onde um amante da natureza, que adorava fazer caminhadas por trilhas, conseguiu chegar ao topo de uma montanha num dia lindo. Deste ponto, conseguiu ver o vale verdejante por muitos e muitos quilômetros. Naquele dia ensolarado, depois de horas de esforço, sentia-se profundamente conectado à natureza e ao Divino. Nunca havia encontrado tamanha paz e unidade com o Universo. Viveu o sentimento de estar no Paraíso. De repente, ouviu um barulho diferente, que lhe lembrou o rugido de um felino. Que animal poderia estar…

Promovendo conversas verdadeiras nas organizações

Promovendo conversas verdadeiras nas organizações Por Alessandra Almeida Para iniciar esta reflexão, primeiro gostaria de clarificar o que quero dizer com conversas verdadeiras: são conversas onde a agenda é aberta e existe uma coerência entre o que falamos, pensamos e sentimos. Por alguns instantes reflita: Quantas são as conversas que você tem participado na sua empresa que podem ser consideradas assim? Com que pessoas e em que situações? Para boa parte das pessoas este tipo de conversa é rara, principalmente no ambiente corporativo. O que escuto muito como coach são pessoas pisando em ovos, receosas sobre como suas opiniões serão…

Quem quer dinheiro?

Quem quer dinheiro? Empresas ágeis, organizações em rede, gestão horizontal, holocracia, economia criativa, economia colaborativa, sistema B, capitalismo consciente. Melhor você ir se acostumando com esse vocabulário, pois, mais do que palavras, ele é uma resposta criativa à crise dos…

O poder de perceber o sutil e criar espaços de vulnerabilidade

O poder de perceber o sutil e criar espaços de vulnerabilidade O que a série de TV norte americana Billions tem a nos ensinar sobre o poder de perceber o sutil e criar espaços de vulnerabilidade. Por Erica Isomura. Eu gosto muito de seriados, mas a série de TV norte americana chamada Billions não estava no meu radar até pouco tempo. O que mudou foi que depois de eu ter recebido alguns comentários comparativos, como por exemplo: “Você é tipo a Wendy aqui na empresa” ou “Seu trabalho parece com a da Wendy”, me levaram a assistir ao seriado para entender…

Mindset de protagonismo: um dia como CEO

Mindset de protagonismo: um dia como CEO Protagonismo é o oposto da vitimização, essa mania que temos em momentos de pouco empenho e dedicação. Por Marcelo Ribeiro dos Santos. Você acorda e toma café. Depois sai de casa e se dirige pro escritório. Ao chegar, você se dá conta de que uma coisa muito maluca aconteceu: você se tornou CEO de sua empresa e tem a oportunidade de implementar algumas mudanças que tanto sonhava. Você tem autonomia para alocar recursos e definir prioridades, tendo a oportunidade de fazer acontecer os planos que guardava nos rascunhos ou dos quais já tinha desistido por…

Quem me autoriza a ser eu mesmo?

Um mindset de liberdade é fundamental para dar espaço às mudanças. Ao lado do meu dia-a-dia como consultor na Corall, trago a rotina de atendimentos como coach e terapeuta. E foi neste contexto que me deparei com uma percepção importante sobre um dos elementos no mindset predominante hoje nas organizações, e talvez no mundo do trabalho, e que atua como elemento de repressão aos processos de mudança e transformação organizacionais. Recebi em semanas subsequentes duas pessoas que agendaram conversas comigo, e curiosamente, hoje pela manhã, tive mais uma conversa que trouxe à tona a mesma questão. Todos, cada um em…

Não seja refém dos seus talentos

Este título te deixa confuso? Pois é, normalmente pensamos nos nossos talentos apenas como forças, não é mesmo? Claro que nossos talentos são forças, isto ninguém tem dúvida, pois é através deles que expressamos o que temos de melhor e somos reconhecidos por isto! E nesta mesma descrição, secretamente reside o outro lado da moeda… Vamos pensar em um talento para entender como este efeito “refém” acontece. Imagine uma pessoa que é reconhecida como a mais divertida de um grupo. Parece ótimo, não é mesmo? Você será o primeiro a ser convidado para as festas e todos querem ter conversas…